terça-feira, 1 de setembro de 2015

A INDULGÊNCIA POR OCASIÃO DO JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA

CARTA DO PAPA FRANCISCO
COM A QUAL SE CONCEDE A INDULGÊNCIA POR OCASIÃO DO JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA
Ao Venerado Irmão

D. Rino Fisichella Presidente do Pontifício Conselho
 para a Promoção da Nova Evangelização
A proximidade do Jubileu Extraordinário da Misericórdia permite-me focar alguns pontos sobre os quais considero importante intervir para consentir que a celebração do Ano Santo seja para todos os crentes um verdadeiro momento de encontro com a misericórdia de Deus. Com efeito,  desejo que o Jubileu seja uma experiência viva da proximidade do Pai, como se quiséssemos sentir pessoalmente a sua ternura, para que a fé de cada crente se revigore e assim o testemunho se torne cada vez mais eficaz.
O meu pensamento dirige-se, em primeiro lugar, a todos os fiéis que em cada Diocese, ou como peregrinos em Roma, viverem a graça do Jubileu. Espero que a indulgência jubilar chegue a cada um como uma experiência genuína da misericórdia de Deus, a qual vai ao encontro de todos com o rosto do Pai que acolhe e perdoa, esquecendo completamente o pecado cometido. Para viver e obter a indulgência os fiéis são chamados a realizar uma breve peregrinação rumo à Porta Santa, aberta em cada Catedral ou nas igrejas estabelecidas pelo Bispo diocesano, e nas quatro Basílicas Papais em Roma, como sinal do profundo desejo de verdadeira conversão. Estabeleço igualmente que se possa obter a indulgência nos Santuários onde se abrir a Porta da Misericórdia e nas igrejas que tradicionalmente são identificadas como Jubilares. É importante que este momento esteja unido, em primeiro lugar, ao Sacramento da Reconciliação e à celebração da santa Eucaristia com uma reflexão sobre a misericórdia. Será necessário acompanhar estas celebrações com a profissão de fé e com a oração por mim e pelas intenções que trago no coração para o bem da Igreja e do mundo inteiro.
Penso também em quantos, por diversos motivos, estiverem impossibilitados de ir até à Porta Santa, sobretudo os doentes e as pessoas idosas e sós, que muitas vezes se encontram em condições de não poder sair de casa. Para eles será de grande ajuda viver a enfermidade e o sofrimento como experiência de proximidade ao Senhor que no mistério da sua paixão, morte e ressurreição indica a via mestra para dar sentido à dor e à solidão. Viver com fé e esperança jubilosa este momento de provação, recebendo a comunhão ou participando na santa Missa e na oração comunitária, inclusive através dos vários meios de comunicação, será para eles o modo de obter a indulgência jubilar. O meu pensamento dirige-se também aos encarcerados, que experimentam a limitação da sua liberdade. O Jubileu constituiu sempre a oportunidade de uma grande amnistia, destinada a envolver muitas pessoas que, mesmo merecedoras de punição, todavia tomaram consciência da injustiça perpetrada e desejam sinceramente inserir-se de novo na sociedade, oferecendo o seu contributo honesto. A todos eles chegue concretamente a misericórdia do Pai que quer estar próximo de quem mais necessita do seu perdão. Nas capelas dos cárceres poderão obter a indulgência, e todas as vezes que passarem pela porta da sua cela, dirigindo o pensamento e a oração ao Pai, que este gesto signifique para eles a passagem pela Porta Santa, porque a misericórdia de Deus, capaz de mudar os corações, consegue também  transformar as grades em experiência de liberdade.
Eu pedi que a Igreja redescubra neste tempo jubilar a riqueza contida nas obras de misericórdia corporais e espirituais. De facto, a experiência da misericórdia torna-se visível no testemunho de sinais concretos como o próprio Jesus nos ensinou. Todas as vezes que um fiel viver uma ou mais destas obras pessoalmente obterá sem dúvida a indulgência jubilar. Daqui o compromisso a viver de misericórdia para alcançar a graça do perdão completo e exaustivo pela força do amor do Pai que não exclui ninguém. Portanto, tratar-se-á de uma indulgência jubilar plena, fruto do próprio evento que é celebrado e vivido com fé, esperança e caridade.
Enfim, a indulgência jubilar pode ser obtida também para quantos faleceram. A eles estamos unidos pelo testemunho de fé e caridade que nos deixaram. Assim como os recordamos na celebração eucarística, também podemos, no grande mistério da comunhão dos Santos, rezar por eles, para que o rosto misericordioso do Pai os liberte de qualquer resíduo de culpa e possa abraçá-los na beatitude sem fim.
Um dos graves problemas do nosso tempo é certamente a alterada relação com a vida. Uma mentalidade muito difundida já fez perder a necessária sensibilidade pessoal e social pelo acolhimento de uma nova vida. O drama do aborto é vivido por alguns com uma consciência superficial, quase sem se dar conta do gravíssimo mal que um gesto  semelhante comporta. Muitos outros, ao contrário, mesmo vivendo este momento como uma derrota, julgam que não têm outro caminho a percorrer. Penso, de maneira particular, em todas as mulheres que recorreram ao aborto. Conheço bem os condicionamentos que as levaram a tomar esta decisão. Sei que é um drama existencial e moral. Encontrei muitas mulheres que traziam no seu coração a cicatriz causada por esta escolha sofrida e dolorosa. O que aconteceu é profundamente injusto; contudo, só a sua verdadeira compreensão pode impedir que se perca a esperança. O perdão de Deus não pode ser negado a quem quer que esteja arrependido, sobretudo quando com coração sincero se aproxima do Sacramento da Confissão para obter a reconciliação com o Pai. Também por este motivo, não obstante qualquer disposição em contrário, decidi conceder a todos os sacerdotes para o Ano Jubilar a faculdade de absolver do pecado de aborto quantos o cometeram e, arrependidos de coração, pedirem que lhes seja perdoado. Os sacerdotes se preparem para esta grande tarefa sabendo conjugar palavras de acolhimento genuíno com uma reflexão que ajude a compreender o pecado cometido, e indicar um percurso de conversão autêntica para conseguir entender o verdadeiro e generoso perdão do Pai, que tudo renova com a sua presença.
Uma última consideração é dirigida aos fiéis que por diversos motivos sentem o desejo de frequentar as igrejas oficiadas pelos sacerdotes da Fraternidade São Pio X. Este Ano Jubilar da Misericórdia não exclui ninguém. De diversas partes, alguns irmãos Bispos referiram-me acerca da sua boa fé e prática sacramental, porém unida à dificuldade de viver uma condição pastoralmente árdua. Confio que no futuro próximo se possam encontrar soluções para recuperar a plena comunhão com os sacerdotes e os superiores da Fraternidade. Entretanto, movido pela exigência de corresponder ao bem destes fiéis, estabeleço por minha própria vontade que quantos, durante o Ano Santo da Misericórdia, se aproximarem para celebrar o Sacramento da Reconciliação junto dos sacerdotes da Fraternidade São Pio X, recebam validamente e licitamente a absolvição dos seus pecados.
Confiando na intercessão da Mãe da Misericórdia, recomendo à sua protecção a preparação deste Jubileu Extraordinário.
Vaticano, 1 de Setembro de 2015

Quer ser um intercessor conosco e alcançar graças ?

  • Veja como funciona:

  • Durante 7 dias e 7 noites ... assumimos um hora diaria para seguirmos um roteiro de oração que será enviado a todos os intercessores...Então se eu me comprometo a rezar 01 hora da madrugada , eu durante 7 dias seguidos a partir da data de inicio, que só será marcada quando fecharmos a escala de intercessores ( 2 pessoas por horario) , eu vou procurar um lugar em minha casa ou se tiver uma igreja proximo a minha casa ou trabalho que eu possa ir , eu estareu rezando segundo o roteiro e louvando a Deus pelas graças alcançadas em minha vida e por aquelas que desejo alcançar?
  • Eis os intercessores confirmados... 
    01:00h:Mercia Meneses; 
    02:00h: Aparecida Ferreira ;Marizete Rocha 
    03:00h: Edinê; 
    04:00h : Ana Keila Soares ;
    05:00h: Maria Luzia Faria Oliveira; Dora Backer 
    06:00h: Nilza Saito ; Anita Maia
    07:00h: Maristela Ferreira Ferreira ; Maria Zélia Matos Dantas Rodrigues
    08:00h:Leopoldina Bonifacio; D.Ester 
    09:00h:Maria Helena Valentim Valentim; Valéria Lampes 
    10:00h:Rita Ingracia Santos Araujo;
    11:00h:D. Ivanildes : Ines Catozzi
    12:00H: Creuza Santos e Keythylly Santos ; Luciana Santos 
    13:00h:Emanuelle Alencar; Samuel Junior
    14:00h:Odete Souza; Maria Aparecida Gomes Braudes
    15:00h:Tanha Dantas; Helena Rocha 
    16:00h:Sandra Maria Fruet; Rosany Barbalho Leite
    17:00h:Cristiana Aragão;Nilza Saito
    18:00h: Fátima Franco Costa ; Jéssica Caroline ; Cillene Silva 
    19:00h: Luciene Maria ; Marta Gois ; Lise Emily Barbosa Miranda de Araujo 
    20:00h: Rosângela ( dizimo) ; Vera Lúcia 
    21:00h:Eliane Ferreira de Meira ; Maximiliano Alonso Do Nascimento; Mariangélica Costa ;
    22:00h: Lia Jacintho ; Telma Nóbrega ; Francisca Lucia Oliveira Barbosa
    23:00h: Maria José Lima Martins ; Renilza; Louiseanne de Oliveira Barbosa 
    24:00h:Elis Alves ; Francisca Sousa ;
  • Estes são os horarios vagos...
  • Madrugada: 
    01:00h:
    03:00h:
    04:00h : 
  • Clik: Oração das Mil Misericórdias
Click AQUI »»»»»» http://www.atos2.net/capela-rccpe.htm
Aqui a Capela é Virtual... Mas nossa adoração precisa ser em Espírito e em Verdade!!!
A Ti, Senhor...Toda Honra e Toda Gloria , agora e Para Sempre! Amém!!!!
" Eu bem sei que Vós, ó Senhor, não necessitais das nossas obras. Vós exigia amor. Amor, Amor e mais uma vez amor a Deus! Superior a isso nada há nem no céu, nem na terra. O mais sublime é o amor a Deus, e a autêntica grandeza está em amá-Lo "
- Diário n° 990

Nossa Novena Perpétua:

Novena da misericórdia: Em cada dia da novena, conduzirás ao Meu coração um grupo diferente de almas.

Meus amados, este é um desejo do coração misericordioso de Jesus, que eu entendi que devo lançar a todos aqueles que desejarem atendê-lo. É tempo de misericórdia! Como Projeto Misericórdia nas famílias, já faço esta novena perpetuamente, mas senti em meu coração que devo disponibilizá-la a quem desejar se unir a nós e aceitar o desafio de fazê-la de forma perpétua. A sua parte é só confiar!Lance-se no imenso mar da Misericórdia...Coloque suas intenções.

"Em cada dia da novena, conduzirás ao Meu coração um grupo diferente de almas, e as mergulharás no oceano da minha Misericórdia. Eu conduzirei todas as almas à casa do meu Pai... Por minha parte, nada negarei a nenhuma daquelas almas que tu conduzirás à fonte da minha Misericórdia. Cada dia pedirás a meu Pai, pela minha amarga Paixão, graças para essas almas."A Novena é rezada junto com o Terço da Divina misericórdia.  

Iniciemos nossa Novena invocando a Trindade Santa. 

( Rezamos o terço da misericórdia)
Ato de consagração a Divina Misericórdia 
Deus, Pai Misericordioso, que revelaste o Teu Amor no Teu Filho Jesus Cristo e o derramaste sobre nós, no Espírito Santo Consolador, confiamos-te hoje o destino do mundo e de cada homem. Inclina-te sobre nós, pecadores, cura a nossa debilidade, vence o mal, faz com que todos os habitantes da terra conheçam a Tua Misericórdia para que em Ti, Deus Une e Trino encontrem sempre a esperança. Pai eterno, pela dolorosa Paixão e Ressurreição do Teu Filho, tem misericórdia de nós e do mundo inteiro. Amém! Papa João Paulo II. 
              Palavra do Nosso Pai fundador: Click:  projeto misericórdia nas famílias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário